Statcounter

Iupiiiiii

(A partir de uma foto de Salander Salander.)


Não se lembra da primeira vez em que reparou nos baloiços. Percorria diariamente aquele trajecto há muitas semanas mas sempre lhe fora um pouco indiferente o cenário que a acompanhava; no fundo, não lhe interessavam as pessoas com quem se cruzava – e era essa a parte do cenário que mais a intimidava, que pretendia evitar: as pessoas. Por isso, seguia sempre em frente, focalizada em si e nos seus pensamentos (ou no seu vazio), tentando que o mundo não desse pela sua passagem, que não reparasse em si. Como se se sentisse uma janela através da qual o mundo olhasse para o interior de si própria e, desse modo, a conhecesse; não olhar para os outros era a sua forma de manter as cortinas cerradas.
Mas certamente por distracção ou descuido, terá havido um momento em que o seu olhar descaiu sobre o parque dos baloiços e, quando deu por si, todos os dias olhava para aquele canto abandonado. O que a entristece (e talvez apenas por isso olhe, porque as tristezas atraem-se) é que o parque esteja sempre vazio. Baloiços abandonados; estáticos, como se estivessem congelados no tempo, como se tivessem utilidade apenas quando usados por alguma criança irrequieta ou aborrecida ou sonhadora e não possuíssem qualquer valor intrínseco. Que sentiriam os baloiços, se pudessem sentir? Talvez algo semelhante ao que ela própria sente, por vezes: uma desadequação em relação à vida e aos outros; como se estivesse a mais no mundo e na vida; ou como se, pelo contrário, a sua presença fosse irrelevante? Por vezes, enquanto caminhava passo após passo perguntava-se distraidamente: e se eu fosse um baloiço? Depois, concluía (quase sempre) que a existência de um baloiço não será assim tão diferente da vida de uma qualquer pessoa: ambos sobem e descem ao sabor de desejos alheios, num perpétuo movimento oscilatório, ascendente e descendente, para cima e para baixo, frequentemente interrompido por momentos de imobilidade e irrelevância, de espera, de adiamento.  
Caminha ao lado do parque e olha disfarçadamente, como se temesse ser surpreendida a fazê-lo (sim, sabe que é triste recear ver). Olha sem saber bem porque o faz, na verdade precisou de alguns dias para compreender que tudo o que desejava era encontrar crianças nos baloiços (portanto, o que receia verdadeiramente é olhar e não ver o que procura). Nada mais: crianças encavalitadas nos baloiços, rindo bem alto; gritando iupiiiiii. Será que as crianças ainda gritam iupiiiiii? Ou baloiçando-se silenciosa e sonhadoramente, como se não pensassem em mais nada, como se não desejassem mais nada; como se fossem simplesmente vento. Sem pensar nem desejar, apenas sendo; livres de passado e futuro, vigorosamente agarradas ao presente; sincronizadas com o presente. Precisou de alguns dias para compreender o que procurava; e a compreensão, quando chegou, trouxe-lhe uma nova ansiedade: onde estavam as crianças do mundo?     
Não se lembra da primeira vez em que reparou nos baloiços nem do momento em que começou a sentir-se angustiada por sempre os ver vazios. Afasta-se do parque no seu passo arrastado de quem não quer sair de onde está nem chegar ao sítio para onde caminha mas o desconforto que sente ao assistir à imobilidade dos baloiços acompanha-a durante alguns minutos; um sentimento melancólico e indefinido de perda que a perturba e se vai consolidando numa memória cada vez mais sólida mas que não a impede de – dia após dia – continuar a olhar (disfarçadamente), de continuar à procura de uma criança, de um riso, de um iupiiiiii. Não pensa no que poderá efectivamente acontecer se um dia encontrar a sua criança e o seu riso e o seu iupiiiiii, não perspectiva nenhuma mudança ou melhoria, não é capaz de sustentar ilusões irrealistas (aquilo a que as crianças chamam sonhos); sente a angústia dos baloiços abandonados e pensa como seria fácil simplesmente mudar de percurso.
Mas não o faz, não muda de percurso. Continua à espera do dia em que encontre os baloiços ocupados por crianças; quando isso acontecer, interromperá a sua caminhada e ficará durante alguns instantes a apreciar o movimento dos baloiços, a escutar os iupiiiiiis; a sorrir. Mas os dias sucedem-se e nada realmente muda, apesar de ser evidente que a vida está em permanente mutação. Na verdade, basta um pequeno pensamento para que algo mude irremediavelmente; e tudo o que é preciso é pensá-lo.
O pequeno pensamento, inesperado e surpreendente, que a faz suspender a marcha e imobilizar-se durante alguns segundos surge numa manhã de primavera, quando se distraía a sentir o sol no rosto e a cheirar a atmosfera saturada com o odor a flores. Pensa: e se for experimentar o baloiço? Pensa: e se for eu a gritar iupiiiiii? Pensa: e se for eu a criança?

Não se lembra da primeira vez em que reparou nos baloiços. Mas certamente que irá lembrar sempre a primeira vez em que andou nos baloiços.