Statcounter

Leiria

- Vamos ver os barcos? 

Avança pela pequena rua, decidido. E eu sigo-o, algo intrigado: o mar fica a vinte quilómetros de distância, naturalmente que não existirão barcos em Leiria; então, que barcos quererá ele mostrar-me? Caminhamos em silêncio durante alguns instantes, depois viramos uma esquina, entramos no Terreiro. De manhã já visitara este largo, impressionando-me com a beleza e imponência dos velhos palacetes, deambulara ao acaso por aqui descobrindo pormenores, espreitando e imaginando, saboreando a tranquilidade; não me cruzara com uma única pessoa. Olhara para aqueles palacetes como se fossem livros: daqueles que nos dão algumas indicações e depois permitem que, a partir dessas pistas, construamos mundos, ficções, fantasias, desvarios, inquietações. 

Os palacetes mantêm-se exactamente como os recordava mas, agora, a rua está repleta de pessoas; e todas caminham na mesma direcção, a direcção que eu e o meu amigo também seguimos. Rua Direita. É então que percebo. O início desta mítica rua leiriense quase parece um túnel citadino, uma estreita e sombria passagem ladeada por duas enormes construções seculares. Avançamos alguns passos no interior deste túnel e o que vejo faz-me sorrir: uma rede de pesca foi suspensa das janelas e varandas do primeiro andar, formando uma cobertura sobre a rua; e a rede está repleta de barcos de papel, de vários tamanhos e cores diversas, balanceando suavemente ao vento. É impossível não sorrir perante esta visão inesperada e onírica. Tal como eu faço, as pessoas param e olham, depois tentam passar entre os barcos suspensos que oscilam suavemente para trás e para a frente; e sorriem; há quem tire fotos, crianças perguntam aos pais se podem levar um barquinho para casa. Um rapaz deita-se no meio da rua para ver bem os barcos, como se estivesse deitado num campo e olhasse as nuvens no céu. Um velhote diz, para ninguém em particular: «Fazia barcos destes quando era garoto, iguaizinhos.»; e sorri. Uma menina diz: «Parece um bailado de barcos.» Gostaria de ficar aqui horas, a ver as reacções das pessoas, a testemunhar os sorrisos; mas o meu amigo puxa-me pelo braço. 

- Ideia engraçada, não é? 

Explica-me que os barcos de papel a balancear no ar (e não nas ondas, que não existem em Leiria) são uma das muitas iniciativas englobadas num festival chamado A Porta. Toda a Rua Direita foi tomada de assalto por gente com vontade de agitar e transformou-se num viveiro de actividade e vida. Há concertos em locais inesperados, vendas de artesanato e de comida, artistas de rua em acção, um palacete ocupado por artistas e transformado numa galeria de arte labiríntica e mutante, teatro e exposições; tudo em simultâneo. Vamos deambulando entre o fervilhar de pessoas sorridentes que se acotovelam e caminham ao acaso, espreitando por todas as portas abertas que encontram, procurando algo que não sabem o que é, surpreendendo-se a cada instante. Aqui canta-se, ali dança-se, acolá bebe-se uma cerveja. Compra-se um livro, tira-se uma fotografia a uma janela bonita. Encontra-se uma pessoa conhecida, dá-se um abraço. Anda-se em frente, volta-se para trás. Não se dá pela passagem do tempo. 

Há dezenas de pequenas ruelas que embocam na rua principal e cada uma delas é um convite à descoberta, à deambulação. Pergunto-me como será toda esta zona num período mais tranquilo; num domingo de manhã, por exemplo: imagino ruas quase silenciosas e desertas, o som difuso de música vindo de uma janela ou outra, um gato a dormir ao sol, um pai a mostrar ao filho as pinturas de rua que foram sendo feitas como se as paredes fossem telas gigantes; lojas antiquadas e edifícios abandonados que remetem para o passado; intervenções arquitectónicas e espaços comerciais com um toque cultural que remetem para o futuro; um velho que se arrasta agarrado a uma bengala, talvez assobiando; o cheiro de um bolo de laranja colocado numa janela a arrefecer; um turista japonês que tira fotografias a cada cinco passos; o castelo sempre a espreitar, lá em cima; o som distante de um sino. A memória de outros tempos, omnipresente em cada esquina, em cada fachada, em cada momento; uma memória melancólica mas não opressiva. 

- As pessoas queixam-se muito que esta zona da cidade está um bocado morta. E talvez tenham razão, basta reparar no estado de degradação de muitos destes prédios. Mas por outro lado, olha em volta. Neste momento, estão aqui centenas de pessoas. As ruas são as mesmas, os prédios são os mesmos. Mas sente-se um fervilhar de vida que impressiona e que contagia. Neste momento, esta rua não tem nada que lembre abandono, é um exemplo de dinamismo e de vida, de intervenção social e cultural, de arte, de alegria. Caminhas entre toda esta gente e sentes-te vivo, sentes-te feliz. Sentes que fazes parte de algo dinâmico e cosmopolita. Claro que amanhã regressa tudo ao normal, e o normal não é tão entusiasmante. Mas a rua é a mesma, o espaço é exactamente o mesmo. Percebes? Por vezes, penso que é tudo uma questão de ângulo, de forma de olhar. Não achas? Podemos olhar e ver abandono; ou podemos olhar e ver potencialidade, oportunidade, desafio. E depois, se virmos por esse ângulo, podemos intervir, podemos fazer com que as coisas aconteçam. 

Percorremos toda a Rua Direita e desembocámos em frente da Sé. Uma rapariga desenha um insecto gigante numa parede branca, perante o olhar invejoso de algumas crianças. Ouvem-se risos e conversas, pessoas caminham em grupos; várias músicas diferentes misturam-se e formam uma banda sonora confusa mas cativante, como se cada uma das músicas lutasse pela atenção de cada uma das pessoas. Cheira a comida, cheira a plantas. Escuto o desabafo do meu amigo e, silenciosamente, concordo com ele; estou-lhe agradecido por me ter trazido a este túnel disfarçado de porta, a esta entrada para uma cidade que as pessoas tornam viva e vibrante com a sua presença, com as suas vozes e risos, com o seu entusiasmo. Mas percebo a tristeza das suas palavras, a tristeza que se sente quando vivemos euforicamente um dia muito especial e, de repente, recordamos que o amanhã voltará a ser normal. 

Sentamo-nos num banco e observamos as pessoas que passam, saindo ou entrando na Rua Direita, n’A Porta. Alguém diz: «É giro quando as pessoas se unem para tornarem a cidade feliz.» Há quem faça planos sobre o que deseja experienciar, há quem comente o que viu, há quem elogie, há quem critique, há quem simplesmente sorria, há quem caminhe ao acaso. Observo o fluxo imparável e, de súbito, percebo que é isso que une a maioria das pessoas que passam: caminham ao acaso e sem rumo certo, expectantes e curiosas, em busca de algo indefinido, prontas para serem surpreendidas. Ao acaso, como barcos deambulando nas ondas de um oceano sereno; como barquinhos de papel balanceando ao sabor do vento. Livres.