Statcounter

Uma espécie de western: fascículo # 03

Agora, é o cavalo que corre. Avançamos na escuridão da noite, sem destino; contudo: quando chegarmos, saberemos; saberei. Agrada-me o contacto com o cavalo, a regularidade quase mecânica do silvo da sua respiração, da sua passada. Mas, inesperadamente, ocorre-me que jamais suportaria viver uma existência semelhante à sua, brutalmente subordinada à vontade e aos caprichos de alguém; um instrumento, apenas. Estranho esta inesperada reflexão mas não a consigo afastar e esquecer, desprezar; e insisto no pensamento, contrariado: como reagiria este mesmo cavalo, se suspeitasse que a sua vida pudesse ser diferente?
Infantilmente, temo que ele perceba os meus pensamentos, os intercepte e assimile, reaja; desperte. E tento concentra-me no caminho, busco orientação nas estrelas, distraio-me com o cheiro do deserto. Mas, insidiosa e destabilizadora, surge uma ideia, mais uma ideia, bailando-se livremente entre os pensamentos, corroendo; e se, numa escala diferente, também os homens são instrumentos de alguém?
Como os cavalos.